Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Entrevistas »

5 perguntas para Thiago Fernandes, Gerente Operacional da Cervejaria Lund em Ribeirão Preto

22/05/2018

por: Redação Farofa Magazine
5 perguntas para Thiago Fernandes, Gerente Operacional da Cervejaria Lund em Ribeirão Preto
Thiago Fernandes, Gerente Operacional Cervejaria Lund. Foto Divulgação.

Ribeirão está cada vez mais cervejeira. E para que o mercado cresça, cada vez mais os profissionais que trabalham na área precisam se renovar, olhar em grupo e agir dentro de um processso nem sempre tão rápido. Thiago Fernandes é hoje gerente operacional da Cervejaria Lund, a segunda mais antiga em atividade na cidade. Formado sommelier de cerveja, e ainda com cursos em Processos Cervejeiros e Yeast On e Off, pelo Science of Beer.  Desempenha um papel no Polo Cervejeiro de Ribeirão Preto e é muito ativo nos eventos e debates do setor local. Fizemos 5 perguntas para entender melhor o mercado e como crescer e se estabelecer neste meio cervejeiro.

FM: 1. Com a transformação do marketing da Lund algum tempo atrás, mais moderno e ativo, vocês atingiram o público esperado? Isso se traduziu em melhores vendas?

T.F.: Até 2015 a Cervejaria Lund não tinha uma determinada atenção para comunicação, quando cheguei o primeiro desafio foi iniciar este trabalho. De lá para cá estamos realizando principalmente nas redes sociais uma presença maior de marca, entendemos que essa é a melhor forma de comunicação para aproximar a cervejaria com seus produtos ao seu cliente final. Naturalmente devido a essa melhor exposição os números brutos de venda têm sido cada vez melhorados. Mas a venda em si não é definida somente dessa forma, por outro lado a comunicação é uma ferramenta fundamental e básica para qualquer tipo de negócio, principalmente quando se trata de alimento.

FM: 2. A Lund não tem um evento próprio de grande público, a cervejaria pensa em organizar algo relacionado a entretenimento ou está focada no atendimento cotidiano e pequenos eventos?

T.F.: Neste momento não estamos pensando em criar nenhum tipo de evento próprio, até pq não temos um espaço físico amplo para abrigar algo nessa magnitude. É de conhecimento também que o calendário de Ribeirão Preto já está muito bem abastecido com outras atrações, a exemplo do IPA Day, Invicta Nocaute, St. Patricks, Slow Brew entre outros. O ticket médio de eventos cervejeiros na cidade é pesado, e o consumo atual anda um tanto pouco congelado, ou seja, atualmente existe no mercado com uma gigantesca oferta e baixa demanda. Nessa linha de raciocínio não vale a pena criar novos eventos. Isso nos liberta para focar em atendimento ao consumidor de delivery, grupos de formatura, festas de casamento, celebrações de debutantes e claro a própria participação nos eventos dos parceiros do mesmo setor.

FM: 3. Cada vez mais a cidade se torna um destino cervejeiro, o que falta na cidade para termos um melhor atendimento a esse turista?

T.F.: Treinamento de equipe, treinamento de equipe, treinamento de equipe. Repetidas vezes em formato bem metódico. A cultura cervejeira deve ser pregada desde a diretoria até a base operacional. Sem montar uma equipe dedicada, empenhada e apaixonada pelo que faz, o fracasso é inevitável. Isso deve ser constante e o leque deve ser extremamente amplo. De nada vale produzir uma cerveja com malte importado, lúpulo raro, levedura liquida se lá na ponta o atendimento for errado ou com ruído. Essa visão de atendimento deve ser descontruída para que seja feito ajustes e apontamentos afim de obter o máximo de sucesso possível. O cliente manda mesmo em tudo e sem ele ninguém existiria.

FM: 4. Qual o seu papel dentro do Polo Cervejeiro?

T.F.: Minha atribuição dentro do Polo, primeiramente é manter a presença da Cervejaria Lund em contato direto com o restante do grupo. Em relação especificamente ao Polo, minha responsabilidade é a mesma que a dos demais membros, não temos um organograma montado ou uma hierarquia interna, assim como também não temos nenhum líder ou presidente. Somos um grupo criado por empresas do mesmo setor que mantém o respeito baseado pelo estatuto, utilizando de uma ética cervejeira em comum, que basicamente nos permite a inclusão e a participação de qualquer pessoa ou empresa que valoriza a cerveja local. Realizamos reuniões periódicas mensais através da estrutura da ACIRP (Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto) e estamos dentro do guarda-chuva do projeto Empreender, onde o objetivo é unir empresas do mesmo setor para discutir e melhorar o próprio setor.

FM: 5. Quais as expectativas do Polo Cervejeiro na cidade? A organização pretende abrir espaço para outras empresas da cadeia produtiva? 

T.F.: Já estamos abrindo espaço, as marcas ciganas, novos brewpubs e demais cervejarias já estão incluídas no Polo e em médio prazo isso será replicado para os pontos de venda e profissionais do setor. Em dois anos e meio (tempo de vida até agora do Polo) conseguimos diversas conquistas, entre elas uma agenda especial, única e histórica com o governador do estado de SP, onde tivemos a chance de explanar as dificuldades do micro produtor de cerveja. Também ganhamos a oportunidade de executar uma APL (Arranjo Produtivo Local) que irá permitir a realização de diversas ações na cidade. Já fizemos algumas missões juntos entre elas a ida ao evento BrasilBrau, temos através do Polo um acesso livre aos cursos de cerveja promovido pelo Senac, assim como também temos um relacionamento direto com o Sebrae e Senai. Além da parceria com a USP e Supera Parque. O setor público nesta nova administração deu atenção paras os nossos pedidos e vem através da Secretaria de Turismo nos ajudado a desenvolver algumas pautas. Estamos executando um imenso projeto em conjunto com o MAPA (Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento) que irá permitir a utilização de um selo de IG (Indicação Geográfica) como terra produtora de cerveja artesanal, algo único e até agora não explorado no território nacional. Através do Polo temos uma blindagem de fornecedores que antes faziam leilões de preço e que agora mantém um fornecimento de valores igualitários e sem ruptura. Ou seja, o esforço é grande, porém é feito em conjunto, todas as cervejarias são impactadas, e com isso os resultados aos poucos estão aparecendo.

Conheça mais da Cervejaria Lund: http://www.cervejarialund.com.br/ 

Sugestões da casa:

 

Entrevistas
Vila Tibério, o bairro tradiça de Ribeirão Preto que abriga uma fábrica e respira cultura cervejeira

Vila Tibério, o bairro tradiça de Ribeirão Preto que abriga uma fábrica e respira cultura cervejeira

Em nossa série de entrevistas para profissionais do mercado cervejeiro de Ribeirão Preto, conversamos com Alessandro Augusto, gerente de marketing da Cervejaria Invicta, que fica em um bairro bucólico da cidade.
26/05/2018
Entrevistas
Bar que não serve cerveja Pilsen? Conversamos com um dos piratas da Weird Barrel

Bar que não serve cerveja Pilsen? Conversamos com um dos piratas da Weird Barrel

Fomos até a espelunca mais pirata da cidade.
06/06/2018
Entrevistas
Entrevista: Bia Macedo

Entrevista: Bia Macedo

Para ela, a maioridade chegou praticamente junto com uma oportunidade no mercado cervejeiro.
09/11/2016
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #01
artigos

Fred Banionis

Fred Banionis

Assepsia cervejeira

Bia Amorim

Bia Amorim

Café, a locomotiva de todos os dias

Aline Silva

Aline Silva

COMO AS REDES SOCIAIS MUDARAM O RELACIONAMENTO DOS RESTAURANTES

Bia Amorim

Bia Amorim

Cerveja fase 2, o cervochato

Carina Tafas

Carina Tafas

Podemos exercitar nossos sentidos e aprimorá-los

Bia Amorim

Bia Amorim

Me tornei uma pessoa previsível fazendo café

saiba antes, saiba mais: