Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Comendo fora »

No meio do canavial, vinho do bom

04/09/2017

por: Fran Micheli
No meio do canavial, vinho do bom
Fotos: Fran Micheli

Há uma hora de Ribeirão Preto, a cidade de Ituverava descansa cercada por canaviais e usinas de chaminés fumegantes. Típico do interior de São Paulo, muitos poderiam pensar. Mas qual não foi nossa surpresa ao ter conhecido, em meio a toda riqueza da cana, uma fazenda de 15 hectares destinada à viticultura?

Com 38 mil habitantes, Ituverava é a sede da vinícola Marchese di Ivrea, que mantém sua produção artesanal de 50 mil garrafas de vinho por ano, quase 2.500 ao dia. As uvas, Sangiovese, crescem doces nos parreirais e surpreendem os mais céticos que um dia duvidaram da possibilidade de fazer bom vinho no Brasil, especialmente na região de Ribeirão Preto.

Sede da vinícola onde são recepcionados os turistas. Em breve, será construído um espaço para casamentos e eventos.

No entanto, a amplitude térmica da região fez com que os anos de pesquisa e tentativas dessem frutos. Apostando na cultura desde 2002, o produtor e advogado Luís Roberto di San Martino Lorenzato Di Ivrea, um excêntrico descendente de família italiana monarquista, abastece o mercado regional com seus vinhos desde 2012 de forma restrita. Exportações também ocorrem, porém sempre em lotes pequenos.

“Queremos que o nosso vinho seja apreciado por quem realmente gosta. Por isso mantemos nosso mercado restrito a restaurantes selecionados e não pretendemos colocar nosso produto em uma gôndola de supermercado”, explica Luís Roberto. Por enquanto, em Ribeirão Preto, é possível degustar os vinhos da Marchese di Ivrea nos restaurantes italianos Ancho, Amici, Túlio Santini e Doppo Lavoro.

Uvas da variedade italiana Sangiovese

Turismo, harmonização e histórias da monarquia

Aos sábados de manhã, a vinícola é aberta para receber os turistas. Pelo valor de R$120 por pessoa, é possível fazer uma visita guiada pelos vinhedos e aprender sobre o processo de fermentação e envase. Apenas três funcionários cuidam de todo o processo após o colhimento das uvas.

O vinho é envelhecido em tanques especiais com carvalho em cubos, importados da frança. Este sistema, de acordo com William, responsável pela recepção dos turistas, agiliza o processo em comparação ao envelhecimento feito em barris da mesma madeira.

Grupo visita os tanques de fermentação. Fabricação diária chega a 2.500 garrafas com apenas 3 funcionários se dedicando a esta etapa da produção artesanal.

Após o tour, os visitantes participam de um almoço onde os seis tipos de vinhos produzidos no local são apresentados.

Entre os vinhos fabricados por lá, o mais famoso é o Arduino, que leva 100% de uvas Sangiovese. O nome é em homenagem ao último descendente da família italiana a ser rei.  Na sequência, são servidos o Moscato Giallo Seco, Moscato Giallo Suave, Saint Hilaire Rose e São Bento, uma espécie de vinho do porto, doce e licoroso.  Os preços variam de 35 a 80 reais, de acordo com o tipo de vinho. Na casa, também são produzidos dois tipos de Grappa, um destilado com cerca de 38% de teor alcoólico.

Visitantes brindam com o vinho Arduíno, mais famoso da casa, durante o almoço servido na vinícola.

Ao microfone, Luís Roberto conta histórias da família e sobre os 900 anos de tradição na fabricação de vinho na região da Toscana. Enquanto ele orienta a harmonização dos vinhos com frutas secas, embutidos e castanhas, os visitante ouvem com paciência suas brincadeiras em torno da sua própria história de desbravação. “Um amigo meu engenheiro agrônomo disse que rasgaria o diploma dele se aqui fosse uma terra boa pra esse tipo de uva!”.

O almoço, geralmente churrasco acompanhado por saladas variadas, farofa, arroz e batatas rústicas, é servido em esquema self-service. O salão de almoço acomoda quase 50 pessoas em mesas apertadinhas, mas em breve será construído um novo espaço, mais apropriado e confortável para receber os turistas, Michele di Ivrea, esposa de Luíz Roberto. Também está sendo construído um espaço para casamentos e eventos.

A vinícola fica aberta para visitação exclusivamente aos sábados de manhã, mediante agendamento prévio.

Luís Roberto di San Martino Lorenzato Di Ivrea, fundador da vinícola


Vinícola Marchese di Ivrea

Rodovia Eliphio Perez Quereza, Km 21, s/n - Zona Rural

Ituverava - SP

Agendamento de visitas e informações: (16) 98243-0008

Valor por pessoa: R$120,00

Sugestões da casa:

 

Comendo fora
O que é que essa linguiça tem?

O que é que essa linguiça tem?

Fomos até Dumont para conversar com quem transformou a cidade em uma referência na produção de embutidos.
10/08/2017
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #01
artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

Almoço Entre Cafés e Fermentos

Bia Amorim

Bia Amorim

1 º Episódio do Reality Mestre Cervejeiro

Redação

Redação

Reality Show Eisenbahn Mestre Cervejeiro estreia na TNT



saiba antes, saiba mais: