Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine
página inicial » Comendo fora »

Caótico e surreal: conhecemos o Richmond Night Market em Vancouver

11/07/2018

por: Fran Micheli
Caótico e surreal: conhecemos o Richmond Night Market em Vancouver
Foto: Richmond Night Market / divulgação

Se você planeja curtir o verão em Vancouver, no Canadá, considere conhecer uma pérola da baixa gastronomia mundial e do entretenimento, o Richmond Night Market. É um mercado a céu aberto que acontece aos finais de semana no bairro de Richmond, ocupado, em sua maioria, pela colônia chinesa.

De maneira geral, comidas típicas de vários países, produtos e serviços diversos, parques de diversão e um palco para atrações ao vivo compõem o evento, que começou timidamente em 2000 pela iniciativa do empreendedor chinês Raymond Cheung e hoje é o maior mercado noturno da América do Norte. São 1 milhão de visitantes ao ano. São quase 75 mil m² de confusão, gritaria e um cheiro maravilhoso de comida de rua.

Chegando no mercado

As portas abrem às 19h, mas não pense em chegar muito além disso. A fila para a entrada gratuita é quilométrica e, se você quiser, pode pagar um passe de C$25 (equivalente a R$75) para 6 pessoas. Se estiver sozinho, vale procurar por pessoas na fila dispostas a dividir o valor. Vale muito a pena.

O mercado fica a um quarteirão da Bridgeport Station, então o melhor jeito é ir de metrô. Há também estacionamento gratuito, caso esteja de carro e queira rodar por horas até achar uma vaga.

Ao chegar, uma visão impressionante do lugar completamente lotado e uma banda de crianças no palco tocando Twisted Sister. Começando assim, não tinha como me decepcionar.

Comendo até morrer

O Richmond Night Market é o paraíso da baixa gastronomia mundial. Tudo o que é vendido nas ruas da China, Japão, Tailândia, Canadá, Estados Unidos, México, Espanha, Turquia e até do Brasil está lá, em barraquinhas apertadas e fumacentas. Abaixo, algumas das nossas sugestões.

O buffet  da China

Uma pista completa de iguarias chinesas onde você escolhe o que quer por no prato. A atração principal são os Dim Sum, uma massa recheada, frita ou cozida que fazem o maior sucesso. Por 15 dólares, você come o quanto puder, mas também dá pra comprar os pratos individualmente.

Foto: Fran Micheli

Barba de dragão

Sem dúvida, a comida mais curiosa que experimentamos na feira. O doce, também conhecido como “crina de unicórnio” ou “doce de massa desfiada”, é uma sobremesa feita à base de maltose e mel cozidos que, ao esfriarem, são modelados, esticados e desfiados pela mão do confeiteiro. Tudo é feito na hora e é hipnotizante assistir ao processo! No recheio, amendoins, gergelim e côco seco dão um sabor indescritível. No início, parece que você está mastigando uma estopa, mas o doce vai te conquistando a cada mordida.

Fotos: Fran Micheli

Frutos do mar

Este ano, os frutos do mar ganharam destaque no Richmond Night Market. Como Vancouver é uma grande região fornecedora de frutos do mar de alta qualidade, é possível provar lulas, polvos, mariscos e peixes bem fresquinho e em porções individuais. Opção não falta.

Fotos: Richmond Night Market / Divulgação

Poutine

Uma das comidas mais tradicionais do Canadá, o Poutine é nada além do que batata frita com vários tipos de coberturas. E parece que quanto mais esquisita a combinação, mais sucesso faz. Aqui, temos fritas com cobertura de chocolate, gotas de chocolate e marshmallows tostados. Se quiser provar, boa sorte.

Foto: Fran Micheli

Pastel de feira

Os brasileiros do Whatafood ganharam um espaço especial no Richmond Night Market. Com filas imensas, a barraca de pastel e pão de queijo conquistou gringos e troianos. Na votação popular desenvolvida para que os frequentadores do mercado votem em suas comidas favoritas, o Whatafood ficou em quinto lugar no mês de julho. O pastel vem nos sabores carne, queijo e calabresa e é muito gostoso. Certamente, é o melhor lugar para os brasileiros de Vancouver matarem a saudade de casa.

Foto: Fran Micheli

Traz a bebida que pisca

É interessante ver centenas de pessoas passando por você com drinks exóticos, luminosos e escandalosos. Geralmente são chás gelados, refrescos ou batidas alcoólicas em copos nada discretos. A competição para o drink mais criativo é grande!

Fotos: Richmond Night Market / divulgação

Compras diversas

Além das barracas de comida, é possível comprar meias divertidas, chip de celular, camisetas, ler a mão com uma cartomante, etc. Algo que chama bastante a atenção são as camisetas desse estande da Subliworks. Queria uma do Steve Carell.

Foto: Fran Micheli

Depois de comer mais do que pode, que tal rodar no polvo gigante do parque? Se achar que não é uma boa ideia, uma série de barraquinhas com brincadeiras estilo quermesse está lá para atrair seus dólares. Argola na garrafa, pescaria, tiro ao alvo, boliche e outras modalidades te seduzem com bichos de pelúcia gigantes e fofos de brinde.

Para o passeio, tire pelo menos umas duas horas do seu tempo. Mesmo que saia de lá achando que gastou mais do que deveria, a experiência é única. Mercado assim não se acha em qualquer lugar.

Foto: Fran Micheli

Sugestões da casa:

 

Comendo fora
Geleia de bacon, farofa doce de bacon e bacon empanado: o brasileiro não tem limites e essa chef também não

Geleia de bacon, farofa doce de bacon e bacon empanado: o brasileiro não tem limites e essa chef também não

Se tem uma coisa que todos concordamos é que o bacon poderia ser uma das sete maravilhas do mundo, não é mesmo? E uma chef catarinense especializada em hambúrgueres quer provar que também não há limites para degustar essa iguaria.
21/04/2018
Comendo fora
9 LUGARES PARA CURTIR BOA COMIDA E BEBIDA EM RIBEIRÃO PRETO

9 LUGARES PARA CURTIR BOA COMIDA E BEBIDA EM RIBEIRÃO PRETO

Para quem curte ir a barzinhos, botecos ou está sempre a procura de qualquer lugar legal para comer e beber bem, chame a galera.
03/09/2018
Comendo fora
Cervejaria Invicta deu um baile em 2018

Cervejaria Invicta deu um baile em 2018

A Cervejaria Invicta de Ribeirão Preto movimentou mais de 9.000 pessoas em seus eventos este ano e mostrou que sabe embalar a cultura cervejeira na cidade e com bom chope fresco!
07/12/2018
Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #02
artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

Eu não tomo cerveja no copo certo

Bia Amorim

Bia Amorim

Brigando com nossos gostos cervejeiros

Bia Amorim

Bia Amorim

Dias de RIS

Fran Micheli

Fran Micheli

Sobre salsichas e pessoas em conserva

Aline Silva

Aline Silva

5 Reflexões para o seu café, bar ou restaurante

Bia Amorim

Bia Amorim

Aquele arroz doce doido de bom, OMADDM

saiba antes, saiba mais: