Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine

Tributo ao misto quente de padaria

Por: Fran Micheli

29/05/2018
Tributo ao misto quente de padaria

Foto: Linda Lou 

Toda vez que a coisa aperta, que a água bate na bunda, que as tarefas do dia se acumulam numa pilha sem começo nem fim e que eu não tenho ideia de como começar a pôr ordem no checklist do trabalho, corro na padaria pra comer um misto quente.

Não adianta método pomodoro nem as lições sobre produtividade que li num post patrocinado por esses dias. Misto quente, só ele, me ajuda a colocar a cabeça no lugar. E tem que ser da padaria, sei lá, qualquer uma, a mais perto, de preferência. Aquela chapa suja que já passou por muita coisa nessa vida é um santo antidepressivo.

Sabe quando a gente fica amigo da balconista? Ela me vê entrando e já pergunta “um misto?”. Claro que é. O misto quente de padaria para o cérebro cansado é como a cachaça pro coração partido. Pode ver. Amanhã vai lá na padoca e pede um misto pra perceber como a mente desanuvia e tudo parece mais simples de se resolver.

Mas tudo precisa ser perfeito, muita atenção nessa parte. O lanche tem que vir na travessinha de alumínio com queijo se esparramando pra fora do pão. O presunto tem que ter aquelas bordinhas queimadas. A primeira mordida é poesia pura, escorre um caldo gorduroso que une, representativamente, todos os mistos que já passaram por aquela chapa naquele dia. A gente vai comendo pelas beiradas, os excessos de recheio, como quem faz uma escultura. Tudo pra ganhar tempo até a mordida ideal, aquela que junta centímetros quadrados perfeitamente proporcionais de pão, queijo e presunto.

Pausa. Não me conformo que muçarela se escreve com cê cedilha e não com dois esses. Ridículo isso porque não combina. O certo parece que tá errado.

Comer um misto quente na padaria é uma representação metafórica da vida sobre como é importante desviar o foco para manter o foco. Pode ver, quando você quer muito uma coisa e passa a pensar só naquilo, parece que a coisa vai te devorar, te enlouquecer. O misto entra aí. Um refresco no caos do dia com 15% de sódio, 45% glúten e 40% gordura.

Da próxima vez que for comer um misto na padaria, agradeça ao universo.

Poucos no mundo têm a inteligência emocional madura suficiente como quem para o curso da vida para contemplar uma chapa suja de padaria.



Fran Micheli
Fran Micheli
Mais artigos deste autor

Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #01
artigos

Fred Banionis

Fred Banionis

Assepsia cervejeira

Bia Amorim

Bia Amorim

Café, a locomotiva de todos os dias

Aline Silva

Aline Silva

COMO AS REDES SOCIAIS MUDARAM O RELACIONAMENTO DOS RESTAURANTES

Bia Amorim

Bia Amorim

Cerveja fase 2, o cervochato

Carina Tafas

Carina Tafas

Podemos exercitar nossos sentidos e aprimorá-los

Bia Amorim

Bia Amorim

Me tornei uma pessoa previsível fazendo café

saiba antes, saiba mais: