Para o topo
Farofa Magazine
Farofa Magazine

Poesia em fogo

Por: Lili Ribeiro

10/06/2017

1. Á Quem Ascendemos) o Fogo que nos Alimenta?

2. Á Quem damos a chama que nos Alimenta?

3. Á quem delegamos o Fogo que nos alimenta?

(fogo que nos chama para pensar no alimento)

O homem dominou o fogo cerca de 500 mil anos a.C.

Isso parece estar comprovado. Porém, não o dominou

de um dia para o outro, pela graça de um Prometeu. E

antes de o dominar completamente, utilizou-o para

cozer alimentos como indicam as ossadas carbonizadas

que acompanham os primeiros vestígios de fogueiras.

Diferenciando-se de forma definitiva de seus ancestrais

hominídeos, que ainda viviam num estado de

animalidade.

O controle do fogo é tão antigo e representa um passo

de tamanha importância na história humana que deu

origem a inúmeros mitos e teorias destinados a explicar

de que forma ele teria acontecido.

O fogo representa a primeira e mais básica forma de

cozinhar, concebida exclusivamente pelos seres

humanos para transformar a matéria da natureza na

matéria da nossa subsistência e do nosso prazer.

Segundo Lévi-Strauss, em O Cru e o cozido, escreveu:

“Cozinhar não apenas marca a transição da natureza

para a cultura, mas por meio dessa ação e com a sua

ajuda, a condição humana pode ser definida com todos

os atributos". Implica na transformação do cru da

natureza no cozido da cultura. E cada uma das

diferentes técnicas que concebemos para realizar essa

transformação representa uma postura diferente, tanto

em relação à natureza de uma lado e à cultura de

outro. Cozinhar sobre o fogo, assar numa panela, o

tempo, a fumaça, o tempero, o corte, o molho ou fazer

um ensopado sugere uma abordagem mais civilizada.

Alquimias foram refinadas nas cozinhas e nos

mostraram o quanto fomos longe enquanto espécie, e

em quase todos os pratos podemos encontrar os

elementos de uma história, de emoções profundas.

Na Grécia antiga, a palavra para cozinheiro,

açougueiro, e sacerdote, era a mesma: Mageiros, cuja

raiz é igual à da “magia”.

A magia que nos proporcionou comermos juntos ao

redor de uma mesa preparada para um ritual sagrado,

contarmos e fazermos histórias, boas memórias na

chama do conviver e compartilhar.

Auguri, Farofa!!!!



Lili Ribeiro
Lili Ribeiro
Mais artigos deste autor

Comente aqui:
Voltar para a página anterior
download edição atual
FAROFA #01
artigos

Bia Amorim

Bia Amorim

Primeiros passos cervejeiros

Lili Ribeiro

Lili Ribeiro

Quanto Pesa

Bia Amorim

Bia Amorim

Como ser sommelier além do copo

Bia Amorim

Bia Amorim

Curso de comunicação e estratégia para negócios cervejeiros

Lili Ribeiro

Lili Ribeiro

Sobre Madalenas

Carlos Alberto Dória

Carlos Alberto Dória

Qualidade é afeto



saiba antes, saiba mais: